Pular para o conteúdo principal

Um "bate-volta" com direito ao lobo-guará

20 / 05 / 2017

Birdwatching alessandro

Celso, Claudio e Julio: em um único dia observaram raras espécies de aves e mamíferos.
Celso, Claudio e Julio: em um único dia observaram raras espécies de aves e mamíferos.

 

No último dia 18/08, acompanhei os amigos Julio Silveira, Celso Queiroz e Cláudio Frateschi em um passeio rápido pela Serra da Canastra. O grupo partira de Ribeirão Preto e faria um "bate-volta" de apenas um dia, com o objetivo de conehcer o parque e fotografar o maior número possível das espécies de aves da Canastra.

Maracanã-verdadeira fotografada nas primeiras horas da manhã no caminho para o Parque Nacional
Maracanã-verdadeira fotografada nas primeiras horas da manhã no caminho para o Parque Nacional.

 

Partimos de Sacramento as 5 da manhã, passando pela vila histórica do Desemboque, onde observamos vários casais de maracanãs-verdadeiras (Primolius maracana) e papagaios-galegos (Alipiopsitta xanthops) que renderam ótimas fotografias.

Psitacídeos como o papagaio-galego, são bastantes comuns na área de entorno do parque.
Psitacídeos como o papagaio-galego, são bastantes comuns na área de entorno do parque.

Já no Parque, em apenas um dia observamos e fotografamos: galito, cigarra-do-campo, guaracava-de-topete-uniforme, papa-moscas-do-campo, cochicho, joão-de-pau, bandoleta, canário-do-campo, tucano-de-bico-verde, gralha-cancã, jacuaçu, suiriri-cinzento, águia-chilena e urubu-rei. Além de diversas saíras, beija-flores, pintassilgos, papa-capins e outras aves mais comuns. Ouvimos o tapaculo-de-brasília, que se recusou a sair no limpo, e vimos uma pequena e misteriosa saracura, que o Julio, entusiasta dessa família, suspeita ser Pardirallus maculatus, o que seria um novo registro ornitológico para o parque e região.

Nesta época, o galito ainda não está com sua plumagem reprodutiva completamente formada, mas já rende belas fotografias.
Nesta época, o galito ainda não está com sua plumagem reprodutiva completamente formada, mas já rende belas fotografias.

 

A estratégia especial do Júlio, para conseguir se aproximar do diminuto galito.
A estratégia especial do Júlio, para conseguir se aproximar do diminuto galito.

 

Mas a maior emoção da viagem foi o inusitado encontro com o lobo-guará (Chrysocyon brachyurus). O maior canídeo nativo da América do Sul parece ser cada vez mais raro de ser observado no Parque Nacional da Serra da Canastra, e cada encontro com ele é sempre uma grata surpresa. Ainda neste dia, observamos uma raposa-do-campo, vários veados-campeiros e um tatu-pepa.

Com a lente 18-55, consegui fazer este sofrível registro, do cada vez mais esquivo, lobo-guará.
Com a lente 18-55, consegui fazer este sofrível registro, do cada vez mais esquivo, lobo-guará.

Foi uma aventura muito produtiva, cheia de surpresas e emoções, que apesar do cansaço, deixou nos participantes a certeza de terem presenciado um santuário natural, onde a vida silvestre teima em permanecer intocada, exuberante e bela, como no princípio dos tempos.